Uma combinação quase perfeita

julho 27, 2010

 

Numa partida disputada em 1970, no Campeonato Olindense de Damas, apareceu a oportunidade para uma combinação de lances. Não resultou em vitória mas valeu pelo exercício mental. Com as peças brancas Sodário Nogueira, e Luiz Lailo com as pretas.

1. c3-d4 f6-g5  2. b2-c3 g5-h4  3. c3-b4 h6-g5  4. b4-a5 d6-c5?

Esse lance das pretas foi muito fraco.

5. g3-f4 g7-h6  6.d4-e5 h8-g7  7. a1-b2 e7-f6  8. d2-c3 f6:d4
9. c3:e5 f8-e7  10. c1-d2?

Aqui 10. e1-d2 provavelmente ganharia a partida. Para o lance efetuado, viu-se logo a possibilidade de retirar a peça branca em e3. Não foi difícil.

10. … c7-d6  11. e5:c7 b8:d6  12. a5:e5 c5-b4  13. a3:c5 e7-d6
14. c5:e7 d8:d6  15. e3:c5 g5:a3  16. c5-d6 a3-b2  17. d6-c7 b2-a1 
18. c7-b8 a7-b6  19. b8-d6 b6-a5  20. d6-a3 g7-f6  21. a3-f8 a1-b2
22. f8-c5 b2-a1  23. c5-d6 f6-g5  24. d6-f8  …  E neste ponto concordaram com o empate. 
            
Para acompanhar os lances pode-se baixar o software Plus800 clicando-se aqui.  Muitos recomendam o Aurora Borealis, que pode ser testado grátis por apenas 15 dias. Eu tenho a versão Professional.


Campeonato Olindense de Damas

janeiro 15, 2009

A presente partida foi jogada em meados de 1971 com o valoroso damista Servilio C. Santos e seguiu até o trigésimo lance terminando com um empate.

Brancas: Servílio
Pretas: Luiz Lailo

1. c3-d4 d6-c5  2. g3-h4 c7-d6  3. h2-g3 b6-a5  4. d4:b6 a5:c7
5. a3-b4 a7-b6  6. b4-a5 f6-e5  7. e3-f4 g7-f6  8. b2-a3 b6-c5
9. a1-b2 e5-d4  10. d2-e3 f8-g7  11. a3-b4 c5:a3
12. e3:c5 d6:b4  13. a5:c3 e7-d6  14. f2-e3 f6-e5
15. g1-h2 c7-b6  16. e1-d2 b6-c5  17. c3-b4 c5-d4

Nunca mais tinha visto essa partida e hoje, quase 38 anos depois, sinto que o lance c5-d4 afrouxou a tensão no meio do tabuleiro. Numa posição complicada a corda pode arrebentar para qualquer dos lados mas tive a impressão de que as pretas possuiam mais folga do seu lado direito. Quem tiver tempo disponível e quiser pesquisar essa linha nós agradecemos.

18. e3:e7 d8:f6  19. f4:d6 a3:e7  20. b2-c3 e7-d6
21. d2-e3 d6-c5  22. c1-b2 b8-a7  23. b2-a3 a7-b6
24. g3-f4 f6-g5  25. h4:f6 g7:g3  26. h2:f4 b6-a5
27. c3-d4 h8-g7  28. d4:b6 a5:c7  29. e3-d4 g7-f6
30. a3-b4 c7-b6  Empate


Otávio Calaínho, um líder

maio 4, 2008

Otávio, falecido recentemente, era um jogador mediano mas era extremamente dedicado ao jogo de damas. Certa ocasião  alugou uma pequena sala para guardar material e organizou o Campeonato Olindense de Damas, aqui em Nilópolis. Mandou confeccionar planilhas (foto ao final) e conseguiu reunir um expressivo número de jogadores no mezanino do prédio onde ficava a sala do material (mesas, tabuleiros, documentos, etc). Alguns damistas eram de excelente nível, como o Mário Borges, que já tinha sido campeão carioca, e vinham de diferentes bairros do Rio de Janeiro. As partidas aconteciam aos domingos pela manhã e geralmente as rodadas se encerravam quase às treze horas.
Infelizmente não guardei nenhuma documentação sobre os resultados desses certames, mesmo porque eu tinha começado a trabalhar em turno, inclusive aos domingos. Quando trabalhava de zero às seis voltava cheio de sono, quando pegava das 12 às 18, é lógico que eu precisava sair mais cedo.
Vamos analisar, muito sucintamente, uma partida disputada no dia 20 de dezembro de 1970, eu com as brancas e Cezar Alves da Silva, o vencedor, com as pretas.

01. c3-b4 f6-e5  02. b2-c3 g7-f6  03. b4-a5 b6-c5 
04. c3-b4 f6-g5 
05. a1-b2 e5-d4? 
Um lance de enganosa agressividade porque seguiu
06. e3-f4 g5xe3  07. d2xf4
e as pretas ficaram com a peça em d4 na geladeira do necrotério. Tiveram que continuar com
07. … h6-g5  08. f4xh6 h8-g7  09. g3-f4 g7-f6  10. h2-g3?

Antes do lance 10. h2-g3
Diagrama antes do lance 10. h2-g3?

Aqui o erro é das brancas. Correto seria
10. f2-e3 d4xf2  11. e1xg3 e acho que o ganho de material asseguraria a vitória.
10. … a7-b6  11. g3-h4 f6-g5  12. h4xf6 e7xe3  13. e1-d2 d4-c3!
14. b2xd4 d8-e7  15. d2xf4 a5xg5  16. h6xf4
E nem deixei jogar 16. … d6-c5, fui logo abandonando.

O Cezar vibrou como se fosse gol de Copa do Mundo, depois me pediu desculpas pela euforia, pela estrepitosa comemoração.
A derrota no esporte nunca me deprime, pelo contrário, ao constatar que perdi abro um largo sorriso e cumprimento o adversário. É isso mesmo, Cezar. Quem não faz, leva.

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique na foto para ampliar.